O BLOG VIROU SITE!

Padrão

Mudamos para um endereço .com com novo formato, mais conteúdo e muito mais interação!

WWW.COMECANDOMINHACARREIRA.COM

cmc

Anúncios

Um Profissional Global

Padrão

Eu sempre tive um desejo enorme de viajar o mundo, conhecer outras culturas, gente diferente, com costumes diferentes, histórias diferentes, idiomas diferentes. Por muito tempo fazer isso na prática não foi possível, mas não me acomodei por não poder viajar a bordo de um avião ou navio, e viajei MUITO abordo de livros, aulas e grupos de estudo de Geografia e História (eu era bem nerd mesmo nessas duas matérias). E é engraçado como, em certas ocasiões e temas da vida a gente realmente acaba atraindo ou sendo atraída por aquilo que se projeta (chame essa força de atração como quiser).

World map made of internet and computer icons. Vector illustration concept.

Hoje finalmente, me sinto privilegiada e abençoada por ter um trabalho que me permite estar mais de 50% do meu tempo em contato com pessoas de outros países, viajando bastante para atender e cuidar de equipes fora do Brasil e fazer parte de um time global. Além de ter um marido maravilhoso que entende e respeita esse meu sonho, e ser meu “parceiro no crime” das loucuras de viagens e planejamento de férias.

Beleza, mas só ter a oportunidade de viajar bastante e falar outros idiomas faz um “profissional global” ?

Óbvio que não.

Na verdade, acho que tem muita gente que quase não viaja, ou nunca viajou, e é um profissional global de muito mais sucesso do que outros com a realidade diferente.

Pra mim, ser um profissional global é ter plena consciência de vivemos num mundo caminhando rapidamente para o “sem fronteiras. Um mundo muito diverso e complexo, mas com pontos em comum que, para que os acha, podem ser conectores que ajudam a alcançar objetivos e alimentam relações produtivas e de sucesso (comerciais ou não).

Ou seja…

Gente que conhece, reconhece e respeita as diferenças culturais, a ponto de saber interpretá-las e levar a interpretação de seus próprios aspectos culturais. De forma amigável e profissional, saber co-relacionar e saber fazer as diferenças trabalharem a seu favor criando pontes, e não deixá-las destruir toda e qualquer possibilidade de relacionamento e parceria.

Ouso dizer que são quase capacidades diplomáticas (respeitando as devidas proporções, claro).

Trazendo pro lado prático da coisa, o que eu posso aprender e fazer pra me tornar um profissional mais global?

Travel and trip

  • Não tenha preguiça de pesquisar e perguntar. Hoje com internet fica tudo mais fácil, não tem desculpa!
  • Estude o mínimo da cultura com a qual estará lidando. Cultura é basicamente formada pela história e geografia do país/região. Hoje um simples google, wikipedia já te ajuda uns 30% nisso. Saber a capital, idioma falados, história básica de fundação e imigração, se o país passou por alguma guerra, desastre natural, crise econômica ou política ajuda MUITO.
  • Busque alguém dessa nacionalidade ou com fortes laços/experiências com eles, chame para um café e pergunte tudo. Desde perguntas mais abertas como “como é trabalhar com mexicanos num geral?” “como costuma ser a vida lá?”, “O que é muito diferente lá?”; até perguntas mais específicas como “qual a forma mais respeitosa e eficiente de fazer negócios com koreanos?”, “quais as maiores dificuldades que você encontrou ao lidar ou para se adaptar?”  as perguntas chaves que não podem faltas “o que eu posso e não posso fazer/falar com eles de jeito nenhum?”  “Quais dicas você me daria?”.
  • Busque elementos culturais co-relacionados a sua cultura ou gosto pessoal. Esportes, música, pessoas importantes, celebridades, eventos, idioma, geografia (praia, neve, montanhas, florestas, clima, etc)
  • Tente aprender saudações básicas no idioma. (Bom dia/tarde/noite, olá, meu nome é, por favor, obrigada). Parece pouco e bobo, mas você não tem noção da diferença que faz e do tamanho do impacto positivo criado na primeira impressão causada.
  • Se for viajar, lembre-se que o estrangeiro é você! A comparação é inevitável, mas busque minimizá-la com uma mente aberta, curiosidade e respeito. Pare de reclamar que não tem algo ou que é pior. Em algum momento de descontração e que seja adequado, tente trazer essa comparação num tom positivo, respeitoso, e até divertido, pra gerar curiosidade ou pra criar ligação, como por exemplo “no Brasil também temos a cultura do cafézinho, e eu adoro café colombiano.”carimbos passaporte
  • Abrace a experiência cultural. Tente viver o dia-a-dia local, visite super mercados, feiras, baladas, se possível – e seguro – utilize transporte público ao menos uma vez. Observe como os locais lidam com situações e dificuldades diárias e tente aprender com eles.
  • Não fique apenas com brasileiros (ou pessoas da mesma nacionalidade que você). É quase impossível não encontrar brasileiros hoje em QUALQUER LUGAR DO MUNDO. Bater um papo com compatriotas que estão inseridos em determinada cultura há mais tempo pode ser muito educativo e produtivo (e te poupar umas boas pisadas na bola), mas ficar só com eles porque te é mais cômodo não é legal, educado e nem produtivo.

Vou parar por aqui, eu amo esse assunto e me empolgo… Vou guardar mais dicas pra outro post! 🙂

A maioria das dicas que eu dei, você já pode começar a trabalhar, independente de ter alguma viagem ou projeto em vista. Conhecimento nunca é demais, e estar pronto antes de acontecer, traz muitas vantagens!

Empreendedorismo sem ter negócio próprio, tem como?

Padrão

IMG_0007EMPREENDEDORISMO, taí uma palavra/competência super em alta no meio profissional, mas que muitas vezes é utilizada de forma muito limitada, por ser diretamente relacionada a “abrir/ter o próprio negócio”.

E daí você me pergunta – mas empreendedorismo não é isso?

SIM, pode ter tudo a ver com abrir seu próprio negócio, mas NÃO É SÓ ISSO.

Dando um Google rápido na palavra empreendedorismo, achei uma definição simples e direta ao ponto, que gostei muito e compartilho com vocês:

“Empreender, resolver um problema ou situação complicada. (…) muitas vezes relacionado com a criação de empresas ou produtos novos. Empreender é também agregar valor, saber identificar oportunidades e transformá-las em um negócio lucrativo.”

Sem dúvida, pessoas com uma veia empreendedora muito forte, aliadas a inovação e criatividade, são naturalmente direcionadas a ter o próprio negócio em algum momento da vida. Mas como profissional de RH, no início eu sempre me perguntava, como conseguimos atrair/reter/desenvolver dentro de uma empresa profissionais com essa competência? E foi aí que eu comecei a observar, e aprender com líderes muito mais experientes, como algumas atitudes empreendedoras são essenciais para o sucesso em determinadas áreas e cargos; e também são fortes fatores de diferenciação de pessoas/talentos.

Veja 6 atitudes empreendedoras que, quando corretamente aplicadas, dosadas e combinadas, podem te fazer diferenciar do restante das pessoas:

  • Trabalhar e fazer a gestão de seu tempo, recursos e energia como se a empresa fosse sua. Principalmente em tempos de economia retraída, cortes e redução de custos. Aqui é fazer mais com menos, de forma responsável, diligente, criativa e produtiva. Cuide, desenvolva, promova e faça a reputação da sua área, do seu departamento, das atividades que estão contidas no seu escopo de trabalho como se fossem sua “mini-empresa”.
  • IMG_0009Ser um farejador de oportunidades e saber capitalizá-las. Habilidade essencial para áreas de vendas, mas que também podem -e devem – ser desenvolvidas em áreas mais administrativas e corporativas, como Finanças, RH, Facilities, Treinamento, etc. Muitas vezes a oportunidade está em algo que não deu certo, sempre foi feito do mesmo jeito, ou nunca foi feito. Aqui é o fazer do limão a limonada e montar a barraquinha pra vender, ou muitas vezes tirar leite de pedra.
  • Tocar algo do começo até o fim. O famoso “hold yourself accountable” que os americanos adoram falar. É ser uma pessoa responsável, de palavra, confiável, que cumpre com as obrigações, que termina tudo o que começa, que entrega tudo com o que se compromete.
  • Tomar decisões e assumir riscos inteligentes. Não ficar em cima do muro ou empurrar para o outro a responsabilidade de decidir ou tomar ação. Chamar a responsabilidade pra si, e ter coragem para assumir riscos inteligentes, aquilo que você sabe ser correto e que, apesar de diferente, pode ser melhor.
  • Liderar, influenciar e engajar para realizar com e através IMG_0005das pessoas. É ter consciência de que sozinho, a idéia não sairá do papel ou não será executada a tempo e da melhor maneira. É reconhecer que há outros colegas melhores que você em diferentes áreas, e com respeito, influência e liderança, conseguir engajá-los e organizá-los, para juntos alcançarem o mesmo objetivo.
  • Ser antenado e criativo. Não basta apenas saber inventar coisas do nada. Ser antenado faz toda a diferença na hora de pôr a criatividade em ação. É “pensar fora da caixa” sim, mas ter referências para calibrar e refinar sua ideia com o que faz sentido no momento, adequar á realidade da companhia, aprender com quem já fez acontecer, ter boas referências no assunto; para então diminuir os riscos de falha e desperdício, com uma execução mais ‘limpa’ e precisa.

IMG_0006Dá pra ser empreendedor com tudo, em qualquer ambiente. Seja com seus estudos, com sua família, seus projetos pessoais, no seu trabalho, com seu próprio negócio. E acredite em mim, ter essas atitudes aplicadas no seu dia-a-dia, seja ele qual for, VAI FAZER A DIFERENÇA! 

Bóra lá!

Como se preparar para uma ENTREVISTA

Padrão

Muita gente me pergunta isso e eu adoro falar sobre o tema!

Recrutamento não é minha expertise em RH e nem parte do meu escopo de trabalho atual, mas eu amo participar de processos seletivos e, honestamente, acho uma das áreas mais críticas e de maior impacto no negócio e dentro do departamento de RH. Afinal de contas é por ali que as pessoas têm, muitas vezes, o primeiro contato com a empresa, formando sua opinião sobre a mesma e também onde o caminho da pessoa pode mudar; é ali no R&S que repousa oficialmente a responsabilidade sobre quem está entrando para o time, influenciando diretamente no clima, resultados, crescimento e desenvolvimento individual+coletivo. Então é muita responsabilidade sim, para com as pessoas e para com a empresa.

O foco não é falar de R&S, mas não posso deixar de dar meu recado aqui para as empresas e líderes de RH: selecionem bem e invistam muito em seus profissionais de R&S. E para os profissionais dessa área: Acordem e decidam dar o seu melhor todos os dias, tratem os candidatos e as empresas com muita responsabilidade e respeito, pois muita coisa está em jogo num processo seletivo!
 Enfim, voltando para o tema principal: tenho uma entrevista amanhã, como me preparo?

  1. Antes de tudo, certifique-se de ter colhido todas as informações possíveis no contato telefônico. Muitas consultorias não abrem o nome da empresa e detalhes como remuneração logo de início, mas o básico tem que ter e muito claro. Básico pra mim é função, área de atuação, ramo da empresa, nacional ou multi, porte/tamanho, qual o perfil de profissional que busca; se é projeto, qual o objetivo, tempo, tamanho da equipe e mobilidade (viagens). 
  2. Saiba que tipo de processo seletivo será aplicado (dinâmica de grupo, painel, entrevista individual, apresentação, simulação ou case).
  3. Se no contato inicial foi aberto o nome da empresa, CORRA PARA O GOOGLE. Pesquise tudo o que for possível, história da empresa, mercado em que atua, principais concorrentes, produtos, geografia, atuação no Brasil, info financeiras, missão, valores e principalmente REPUTAÇÃO (Great Place to Work, Glassdoor, Love Mondays, Fortune, Guia Exame são as melhores fontes-na minha opinião).

Com esses simples 3 passos, vc já tem 70% do ideal de uma preparação! E hoje não tem desculpa pra não conseguir fazer isso, né? Mesmo se for em cima da hora!

E não tenha medo ou receio de perguntar ou pedir mais detalhes por telefone. Se você o faz de forma educada e no tom apropriado, isso é muito bem visto, pois demonstra interesse, segurança e maturidade profissional. 😉

Depois disso, mais 3 passos pra ser uma preparação perfeita: 

 

  1. Veja se na sua rede de contatos mais próxima, há alguém que trabalha, já trabalhou ou tem contato com a empresa e peça a opinião delas sobre o clima, oportunidades e estilo da empresa.
  2. Busque no LinkedIn perfis de pessoas que trabalham na empresa (não necessariamente adicionar) e observe a trajetória delas na empresa, formação, competências e publicações.
  3. Pratique com alguém (amigo, familiar) ou no espelho mesmo, o seu discurso básico: apresentação pessoal, resumo das experiências, o que almeja para o futuro. Se for processo com case ou painel, esse item vai lá pra cima na ordem de importância!

Pronto, com esses passos simples você já sai na frente e com certeza fica mais seguro e confiante no dia da entrevista.

Algumas dicas rápidas para o dia da entrevista:

  • Se arrume, mas não exagere. Na dúvida: PRETO E BRANCO, evite jeans, tênis, decote, saltos muito altos e make forte. Mas não se torne uma pessoa que não é você! Apenas uma versão corporativa de você mesmo. 😉
  • Faça o trajeto no Google Maps/Waze e se adiante 30min no mínimo.
  • Vá escutando uma música para relaxar.
  • Chegando lá, peça para ir ao banheiro e tomar uma água (é bom pra já dar uma espiada no local também! 😉 ).
  • Confie em você mesmo e tente não se comparar ou ser igual aos outros!

É isso aí, boa sorte!

Modo “Power Saving”

Padrão

Eu não sei vocês, mas quando está chegando meu aniversário, eu começo a entrar, quase que involuntariamente num período mais reflexivo.

Prestes a entrar no meu mês, o principal objeto da minha reflexão agora é: pra onde está indo toda a minha energia?

Já pararam pra pensar no tanto de coisas que a gente faz durante a semana, no tanto de gente que interagimos, e aí o saldo para o final de semana é: “meu Deus estou exausta” – ou – “meu Deus ainda tem um monte de coisa pra resolver”…

Não vou falar nesse post sobre gestão de tempo não, isso é assunto pra outra conversa.

Vou falar sobre gestão de energia.

Sabe quando o celular está com um palitinho de bateria no celular e ainda falta muito pra chegar em casa (ou ao local mais próximo que possua uma tomada), então fechamos todos os apps, diminuímos a iluminação da tela, ativamos o battery saving mode, desligamos a música, tudo pra guardar o mínimo de bateria suficiente para se manter online. Ou quando temos um show, festa, viagem, que carregamos tudo antes de sair, e ainda levamos tomada e bateria extra na bolsa, pra assegurar a conexão o tempo todo.

A gente faz isso com a nossa própria energia?

Decidimos no que vamos gastar mais energia? Temos autoconsciência /autoconhecimento suficiente pra discernir  quando podemos nos desprender de mais energia e quando devemos guardar energia, ou pelo fato de estar acabando ou porque algo importante virá adiante e temos que estar 100%?

E nossos próprios projetos? Gastamos em média 6h-8h no trabalho, super focados e engajados, mas será que ao longo d dia não temos algumas oportunidades de “power saving” para começar um segundo hound em casa, na faculdade, onde for, com mais disposição e energia?

Eu nunca vou me esquecer de um conselho muito direto e pessoal que recebi de um executivo brilhante com quem eu tive o privilégio de trabalhar. Eu estava num momento de quase esgotamento emocional devido a intensidade de mudanças na empresa e o impacto na vida das pessoas, e ele me disse “Jessica, você precisa selecionar melhor suas batalhas e se fazer menos disponível pra determinadas pessoas e situações que estão roubando sua energia” .

Power Saving2Então, eu comecei um exercício interessante de power saving e quero compartilhar com vocês (o último é o principal pra mim):

  • Decidi começar meu dia bem. Sou naturalmente mau humorada pela manhã. digamos que acordar cedo não seja uma preferência…rs. Mas como não posso mudar, bóra fazer do limão uma limonada. Então faço questão de me maquiar todos os dias (adoro!), tomo café da manhã na padaria (amo!), reservo uns minutinhos antes de começar os emails, para assistir um TED ou ver um clipe divertido e coloco música animada na sala… Já começo tudo dizendo que o dia VAI ser bom, porque está nas minhas mãos fazê-lo assim!
  • Decidi encurtar algumas conversas, principalmente as reuniões, sendo mais assertiva no que precisamos realmente discutir ou resolver (isso inclui um exercício rápido de preparação, escrevendo os principais pontos numa listinha).
  • Estou tentando imprimir uma rotina em partes do meu dia. Isso pode parecer simples pra algumas pessoas, mas pra mim é um SUPER desafio. Eu sou completamente AVERSA a rotina, mas percebi que uma dose diária é bom!
  • Decidi me conhecer e me respeitar mais, reconhecendo os dias que eu não estou bem, ou estou mais quietinha (sim eles existem) e me programar o máximo possível para ser produtiva nesse cenário diferente. Seja tendo menos reuniões, seja separando esse dia pra fazer mais trabalhos de leitura e concentração, e menos interação.
  • Decidi ter a disciplina de todos os dias dedicar tempo e energia em algo MEU. Seja algum projeto de casa ou de família, uma leitura mais “de menina”, inventar ou começar alguma coisa, o meu blog (que estava super abandonado), ou às vezes simplesmente descer, tomar um sorvete e dar uma volta na livraria.
  • Decidi selecionar minhas conversas de café, corredor e almoço. Isso não quer dizer cortá-las, pois, pra mim, ser sociável no ambiente de trabalho e fazer pequenos intervalos durante o dia são pontos muito importantes. Mas sabe quando começa aquele tititi no café, dá aquela coceira pra fazer um comentário maldoso ou fofoca de alguém, ou encosta aquela pessoa que só te procura pra te pedir alguma coisa ou reclamar da vida? TCHAU. Ou eu mudo o assunto, ou simplesmente encerro ele. Já percebeu como tem gente que parece que a nuvem negra acompanha? Eu fujo dessa nuvem, ou quando ela chega eu tento dissipá-la rapidamente e trazer o sol de volta. Esse é um dos grandes ladrões de energia. Infelizmente temos muita gente ao nosso redor assim, com o perfil sanguessuga. Mas pensa nesse bichinho nojento.. É pequenininho, e está literalmente nas nossas mãos o poder de retirá-lo. O quanto mais deixamoos bichos colados se alimentando da gente, mais eles vão crescendo e maior o risco de ficarmos doentes. IGUALZINHO para pessoas.

saving powerEssas foram as ações que eu tomei para melhorar o meu dia e a minha reserva de energia, baseado no meu dia-a-dia, de acordo com a natureza do meu trabalho,  responsabilidades e também  meu perfil e personalidade. E olha… está dando bastante resuldado viu!

Algumas delas podem servir pra vocês também, mas o principal objetivo é gerar essa reflexão e inspirá-los a se conhecerem melhor e pensar como fazer a vida mais equilibrada, produtiva, leve e gostosa! 

Coragem Pra Voar

Padrão

#Repost – GV

gaiola